Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de março de 2017. Atualizado às 17h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 24/03 às 17h48min

Petróleo fecha em alta, com investidor atento à Opep e à produção nos EUA

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta sexta-feira, revertendo parte das perdas registradas nas últimas sessões, em uma dia marcado pela volatilidade.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para maio fechou em alta de 0,57%, a US$ 47,97 por barril. Na Intercontinental Exchange (ICE), o petróleo tipo Brent para o mesmo mês avançou 0,47%, a US$ 50,80 por barril.
Os preços do petróleo oscilaram entre ganhos e perdas nesta sexta-feira, com os investidores atentos aos cortes na produção da commodity pelos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e por outros grandes produtores. Além disso, os investidores continuam observando dados da produção nos Estados Unidos. Os dois fatores fizeram com que, desde o início de março, os contratos futuros da commodity acumulassem perdas de cerca de 10%.
Hoje, a Baker Hughes divulgou seu relatório semanal, que informa que o número de poços e plataformas de petróleo em atividade em solo americano avançou 21, para 652, na última semana. Em todas as semanas deste ano, com exceção de uma, o número tem crescido.
No ano passado, a Opep concordou em reduzir a produção de seu grupo e de outros produtores não membros em 1,8 milhão de barris por dia. No entanto, investidores acreditam que os cortes não tenham sido suficientes para drenar o excesso mundial da commodity. O cartel pode decidir, ainda, por uma extensão dos cortes para além de junho, mas há dúvida quanto à adesão de alguns países.
No fim de semana, o comitê responsável por monitorar os acordos de redução da produção vai se reunir para discutir sua eficácia. O grupo é formado por representantes do Kuwait, Argélia, Venezuela, Rússia e Omã. Investidores devem acompanhar o encontro em busca de sinais de uma possível extensão dos pactos. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia