Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de março de 2017. Atualizado às 16h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

fraude

Alterada em 24/03 às 16h21min

Governo determina recall de carnes de três frigoríficos envolvidos na operação Carne Fraca

Agência O Globo
A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) determinou que os frigoríficos Souza Ramos, Transmeat e Peccin, que estão entre os 21 investigados pela Operação Carne Fraca, recolham todos os seus produtos, distribuídos a supermercados e também já vendidos a consumidores, com o devido reembolso ao consumidor daquilo que for por ele restituído aos pontos de venda. Em nota, a Senacon informou que os frigoríficos têm até 5 dias para dar início ao recall.
"Diante dos fatos, em 23 de março, a Senacon determinou que Souza Ramos, Transmeat e Peccin iniciem em até 5 dias o recall das carnes provenientes dos estabelecimentos mencionados. Todos os produtos com origem naqueles estabelecimentos devem ser recolhidos, com o devido reembolso ao consumidor, daquilo que for por ele restituído aos pontos de venda", diz a nota da Senacon.
Desde a última sexta-feira (17), quando a Polícia Federal deflagrou a Operação Carne Fraca, que investiga empresas do setor de alimentos, a Senacon imediatamente abriu procedimentos para apuração dos fatos, notificando as empresas JBS, BRF, Peccin, Larissa, Mastercarnes e Souza Ramos, citadas pela Polícia Federal. Foi determinado que as empresas esclareçam os fatos e indiquem os lotes de produtos adulterados, o tipo de adulteração envolvida, as quantidades, data de fabricação e validade dos produtos afetados. Uma vez confirmado qualquer risco ao consumo humano em razão das carnes distribuídas, as empresas devem promover a imediata retirada dos produtos do mercado (recall).
Desde o episódio, a Senacon vem mantendo contato direto com outros órgãos do Governo Federal envolvidos nos fatos, requerendo ao Ministério da Agricultura informações sobre as ações programadas, especialmente quanto à auditoria, iniciada na segunda-feira nos 21 frigoríficos citados na Operação, quando foi constatado, segundo a nota, que o frigorífico da Souza Ramos em Colombo (PR), "não detém controle dos processos relacionados a formulação e rastreabilidade de seus produtos não garantindo a inocuidade dos produtos elaborados." Já sobre o frigorífico da Transmeat, que fica em Balsa Nova (PR), a auditoria do ministério apontou que "o estabelecimento não detém controle dos processos relacionados à rastreabilidade dos produtos". Em relação à unidade da Peccin de Curitiba, o ministério identificou "suspeita de risco à saúde pública ou adulteração."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia