Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de março de 2017. Atualizado às 11h47.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Negócios Corporativos

Alterada em 24/03 às 11h48min

Nippon diz que tomará todas as medidas cabíveis contra destituição na Usiminas

A Nippon Steel, sócia controladora da Usiminas, afirmou, em nota, que tomará todas as medidas legais cabíveis contra a destituição de Rômel de Souza da presidência da siderúrgica mineira, após decisão com placar de sete a três pelo Conselho de Administração da companhia. O conglomerado japonês destaca que a ação foi ilegal e ilegítima, já que, segundo ela, violou o acordo de acionistas, que prevê consenso entre seus signatários.
Em reunião na quinta-feira (23), votaram a favor da saída de Rômel os três representantes da Ternium, o representante dos funcionários, o representante do BTG Pactual e os dois conselheiros independentes indicados pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Se posicionaram contra os três nomes da Nippon e a representante da Caixa dos Funcionários. São signatários do acordo de acionistas da Usiminas, além da Nippon, a Ternium e a Caixa dos Empregados.
Essa é a segunda vez, em menos de um ano, que o Conselho da Usiminas destitui Souza. Na ocasião, o executivo retornou ao cargo após uma decisão Judicial. "É lamentável que ações similares foram feitas novamente com o propósito de remover Rômel e fazer com que Sergio (Leite) assuma o cargo", segundo a nota da Nippon.
Na quinta, o vice-presidente Comercial da Usiminas, Sergio Leite, assumiu, pela segunda vez, a presidência da companhia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia