Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de março de 2017. Atualizado às 07h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Notícia da edição impressa de 24/03/2017. Alterada em 23/03 às 22h36min

Redução de conteúdo local é alvo de críticas

Discurso de Bezerra não agradou os participantes do evento na Fiergs

Discurso de Bezerra não agradou os participantes do evento na Fiergs


JONATHAN HECKLER/JC
Thiago Copetti
Terminou em embate o final do encontro que reuniu, na Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), nesta quinta-feira, representante do governo federal, empresários e prefeitos de cidades afetadas pelos recentes desinvestimentos no polo naval gaúcho. Ao final do encontro promovido pelo Movimento Produz Brasil, voltado ao setor de petróleo e gás para debater o futuro da cadeia, o secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, Marcio Félix Bezerra, falou sobre a polêmica em torno da redução do índice de conteúdo nacional exigido na produção de itens para o setor. E não agradou em nada os ouvintes.
"Nem falo mais o termo conteúdo local porque isso já virou palavrão. Eu falo em bens e serviços brasileiros usados no setor. Acho que as empresas precisam deixar de ficar em cima apenas da Petrobras, porque o setor já está desenvolvido, e as empresas e fornecedores podem se tornar grandes parceiras para conquistar mercados e fazer alianças, inclusive fora do Brasil", disse Bezerra ao final do encontro na Fiergs.
Logo que encerrou a fala aos empresários e prefeitos locais, ainda abalados pela redução de 65% para 25% de conteúdo local para as plataformas, o espaço foi aberto para perguntas e questionamentos. A primeira ponderação foi do vice-presidente da Abimaq no Estado, Hernane Cauduro. "É miopia alguém dizer que falar em conteúdo local é palavrão. Basta olhar os impactos na melhora na distribuição de renda e geração de riqueza, na ordem de, no mínimo, 2.1. Foi assim que os países desenvolvidos se tornaram o que são", afirmou Cauduro.
Na sequência, foi a vez de Marcus Coester, coordenador do Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore da Fiergs, se posicionar sobre o assunto e sobre a segunda "sugestão" de Bezerra aos empresários.
"Olhemos o caso da Iesa, de Charqueadas, cidade cujo prefeito está aqui. A empresa precisou promover demissões em massa com a crise do polo naval. O trabalho final para o qual havia sido contratado foi para a Tailândia. E eu diria que é zero a chance de uma empresa daqui ser chamada para prestar serviço por lá", arrematou Coester, colocando como proposta da Fiergs que o governo ao menos exija que a montagem e a integração das plataformas sejam feitas obrigatoriamente no Brasil.
O desabafo maior veio do prefeito de Rio Grande, Alexandre Lindenmeyer. "Investimos em escolas, segurança e até mesmo na formação de pessoas para trabalhar com a indústria naval, que agora afunda. E não fizemos isso do nada, da nossa cabeça, mas porque fomos estimulados pelo governo", criticou Lindenmeyer.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia