Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de março de 2017. Atualizado às 12h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Fraude

22/03/2017 - 12h47min. Alterada em 22/03 às 12h50min

Redução nas exportações de carnes já começa a prejudicar produtores, diz Maggi

Maggi disse que produtores falam que frigorífico estão restringindo recepção de animais

Maggi disse que produtores falam que frigorífico estão restringindo recepção de animais


RODRIGO FONSECA/AFP/JC
A queda nas exportações em decorrência da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal (PF), começa a afetar a produção, disse nesta quarta-feira (22), o ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Ele declarou ter conversado com alguns produtores que relataram, por exemplo, que os frigoríficos que processam carne bovina pararam suas compras, diante das incertezas sobre os embarques para mercados como a União Europeia e a China.
No mercado de suínos, compras de carne para processar que normalmente são feitas às segundas foram adiadas para quarta ou quinta-feira. Por isso, há pressa no destravamento das exportações, pois o ciclo de produção de carnes é curto e não há como adiar por muitos dias os abates do animais. Além disso, há problemas de armazenagem do produto.
Maggi disse ter recebido, nessa terça-feira (21), que o Japão restringirá sua limitação de compra aos 21 estabelecimentos alvos da operação da PF. Esses estabelecimentos, de toda forma, já estão impedidos de exportar por decisão do próprio governo brasileiro, que não tem emitido licenças de exportação.
"Quero crer que estamos indo por um bom caminho", disse o ministro. "Falta um posicionamento definitivo da Comunidade Europeia e da China. Resolvidos esses dois assuntos, podemos respirar um pouco." O ministro disse que pretende viajar aos principais mercados para dar garantias, "olho no olho". Ao vistoriar frigoríficos, o ministro disse que quer finalizar a investigação em até três semanas.  
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia