Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de março de 2017. Atualizado às 10h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Bovespa abre em queda, mas Petrobras sobe e ameniza perdas

A Bovespa abriu em queda nesta quarta-feira (22), dando continuidade ao tombo de 2,93% de terça, em meio ao ceticismo que mantém os mercados acionários internacionais no negativo no período da manhã. Às 10h23min, o Ibovespa operava em baixa de 0,10%, aos 62.911,71 pontos. A fraqueza do minério de ferro no mercado chinês dificulta a recuperação das ações da Vale, que recuam mais de 2,0% nesta manhã, mesmo após terem derretido 8,0% na véspera.

Por outro lado, os papéis da Petrobras, que caíram 4,0% na terça-feira, avançam nesta quarta perto de 1,0%, a despeito da desvalorização dos contratos futuros do petróleo no exterior. A estatal reportou na noite de terça lucro líquido de R$ 2,510 bilhões no quarto trimestre de 2016, revertendo prejuízo de R$ 36,9 bilhões no mesmo período de 2015. No ano passado, a companhia amargou prejuízo de R$ 14,824 bilhões e, mais uma vez, não pagará dividendos aos acionistas.

Esse foi o terceiro ano no vermelho desde 2014, quando a Lava Jato começou a revelar desvios de recursos na empresa e o preço do petróleo passou a despencar no mercado internacional.

Em Wall Street, os índices futuros das bolsas de Nova Iorque seguem em queda, assim como as praças acionárias da Europa. Desde a terça os mercados globais promovem uma reavaliação do otimismo em relação ao governo do presidente dos EUA, Donald Trump. Isso porque dificuldades do dirigente em obter apoio no Congresso para uma nova proposta de reforma na área de saúde geraram dúvidas sobre a capacidade do republicado de seguir adiante com seus planos de cortar impostos e ampliar investimentos em projetos de infraestrutura.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia