Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de março de 2017. Atualizado às 10h47.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

fraude

21/03/2017 - 10h42min. Alterada em 21/03 às 10h48min

Não podemos deixar que um alarde prejudique produtores brasileiros, diz Temer

Presidente confessou que Operação Carne Fraca causa "embaraço" para o Brasil

Presidente confessou que Operação Carne Fraca causa "embaraço" para o Brasil


Marcos Corrêa/PR/Divulgação/JC
Em discurso na conferência organizada pelo Council of The Americas em Brasília, realizado nesta terça-feira (21), o presidente Michel Temer comentou sobre a Operação Carne Fraca e a repercussão na economia brasileira. Também falou sobre as projeções de crescimento do País, e convidou estrangeiros a investir no Brasil. 
Temer confessou que escândalo de carnes causou "embaraço econômico" para o País com um alarde que prejudica os produtores brasileiros. Ele reforçou que as irregularidades não afetam todos os frigoríficos nacionais e todos os servidores que fiscalizam a atividade. Temer comemorou ainda o fato de a Coreia do Sul ter desistido de barrar a carne brasileira.
"Não podemos deixar propagar impunemente um alarde que prejudica os produtores brasileiros", disse em discurso durante . "Tivemos grande alarde em relação à carne brasileira e, evidentemente, isso causa, não posso deixar de registrar, um embaraço econômico para o País", argumentou.
O presidente contou ter recebido um telefonema do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no último sábado e relatou que o mandatário americano se mostrou muito interessado nas relações comerciais entre os dois países. Temer lembrou que o Brasil exporta proteína animal para 150 nações, entre os quais os Estados Unidos.
"Temos até empresas lá estabelecidas. A carne brasileira é sempre muito enaltecida por quem tem o paladar para apreciá-la", continuou Temer.
De acordo com o presidente, os problemas identificados na Operação Carne Fraca não alcançam a totalidade do setor produtor de carnes no Brasil e nem toda a estrutura de fiscalização do Ministério da Agricultura. Ele citou que, de 4.383 plantas de produção no País, apenas três tiveram atividades suspensas e 19 estão sendo investigadas. E de 850 mil lotes exportados, apenas 184 teriam precisado passar por reanálise.
"Houve uma pronta e eficaz ação do governo federal. E hoje tivemos uma boa notícia, já que a Coreia do Sul decidiu eliminar a suspensão de compra da carne brasileira, devido à essa pronta resposta das autoridades", afirmou. "Se há desvios, eles devem ser apurados e servidores do Ministério da Agricultura foram dispensados ainda ontem", acrescentou.

Presidente cita melhora na economia e convida estrangeiros a investir no Brasil

Temer fez um chamado para que investidores internacionais venham ao Brasil e citou dados de melhoria na economia e de avanços de reformas para dizer que o País voltou a ser lucrativo para os interessados em investir aqui.
"Aqueles que podem e queiram investir no Brasil, podem fazê-lo. Posso dizer sem medo de errar: invistam no Brasil que vocês sairão ganhando", afirmou o presidente nesta terça-feira, 21, em conferência organizada pelo Council of The Americas. "Queremos que os Estados Unidos e quem mais possa invistam com muita força, entusiasmo e segurança no País", completou.
Temer voltou a avaliar que seu governo "conseguiu feitos mais que razoáveis" em pouco tempo, e citou, em primeiro lugar, a queda na inflação, que ficou abaixo do teto da meta de 6,5% em 2016. "Hoje a inflação está em torno de 5%, indicando que esse ano poderemos ficar abaixo do centro da meta de 4,5%. Isso é fruto de uma política econômica responsável, que passa pela redução de juros, prenunciando a hipótese de que a Selic possa voltar para um dígito", acrescentou.
O presidente citou também a abertura de quase 36 mil vagas de emprego formal em fevereiro, após 22 meses consecutivos de queda. "O que esperávamos que viesse no próximo semestre começou agora", analisou.
O presidente também comemorou o fato da Moody's ter alterado a perspectiva de rating do Brasil de "negativo" para "estável" na última semana. "Isso aumenta a nossa possibilidade de voltarmos a ter grau de investimento, o que significa o reconhecimento internacional de que o cenário é muito mais positivo", completou.
Temer citou ações como a liberação de contas inativas do FGTS, com uma injeção de cerca de R$ 35 bilhões a R$ 40 bilhões na economia e citou a continuidade de programas sociais continuam. O presidente disse ainda que o governo está lançando um programa de regularização fundiária nas cidades e no campo.
Ele lembrou que o leilão de quatro aeroportos na última semana teve um ágio "extraordinário". Ele voltou a dizer que as ações das Petrobras se valorizaram 145% em um ano e meio, demonstrando o retorno da confiabilidade da estatal.
"Há uma crença de que o País está renascendo. Não teria coragem de fazer esse discurso há seis meses, mas hoje tenho essa segurança. O Brasil tem rumo e não vai distrair-se em função de outros fatos", afirmou.
Para o presidente, cada um dos Poderes da República está organizado e realizando suas atividades harmoniosamente. "Estamos passando por um fenômeno de reconstitucionalização do País. Temos responsabilidade fiscal ao lado de responsabilidade social", concluiu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia