Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de março de 2017. Atualizado às 07h44.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 21/03 às 07h46min

Ainda influenciadas por Fed, bolsas asiáticas fecham majoritariamente em alta

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta terça-feira (20), à medida que o sentimento dos investidores da região continua positivo depois de o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) ter sinalizado na semana passada que elevará juros de forma gradual ao longo do ano.
Os principais índices acionários da Coreia do Sul, Taiwan e Hong Kong terminaram o pregão nos patamares mais elevados desde 2015.
Em Seul, o Kospi avançou 0,99%, a 2.178,38 pontos, com a expectativa de que tensões políticas na Coreia do Sul diminuirão quando um novo governo tomar posse após a recente confirmação do impeachment de Park Geun-hye. Ontem à noite, a presidente deposta depôs sobre o escândalo de corrupção que a afastou do cargo. As ações da Samsung Electronics, que está envolvida no caso, subiram 1,58%, a níveis recordes.
No mercado taiwanês, o Taiex registrou alta de 0,60%, a 9.972,49 pontos, aproximando-se da barreira psicológica de 10.000 mil pontos pela primeira vez em dois anos.
Em Hong Kong, o Hang Seng teve valorização pela quarta sessão seguida, com alta de 0,37%, a 24.593,12 pontos, tocando o maior patamar em 20 meses.
Na China continental, o Xangai Composto subiu 0,33%, a 3.261,61 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,39%, a 2.043,94 pontos, após o banco central chinês (PBoC) fazer uma injeção de 70 bilhões de yuans (US$ 10 bilhões) no sistema financeiro nos dois últimos dias, interrompendo um período de semanas de saques líquidos.
A exceção na Ásia foi a Bolsa de Tóquio, onde o índice Nikkei caiu 0,34%, a 19.455,88 pontos, na volta de um feriado nacional no Japão. Analistas atribuíram a queda no mercado japonês a temores gerados pela postura protecionista dos EUA e à visão de que o Fed não tem pressa de elevar juros, o que pressiona ações do setor financeiro negociadas em Tóquio.
Na Oceania, a bolsa australiana ficou praticamente estável, com leve baixa de 0,1% no S&P/ASX 200, a 5.774,60 pontos. Em ata de política monetária, o Banco Central da Austrália (RBA) revelou ontem à noite preocupação com o superaquecimento do mercado imobiliário, sugerindo que não deverá voltar a cortar juros este ano. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia