Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

Notícia da edição impressa de 21/03/2017. Alterada em 20/03 às 20h08min

Especialistas alertam para volta da bandeira vermelha

Chuvas abaixo da média histórica no chamado período úmido e sinalização de um potencial início da retomada da demanda têm impulsionado os preços da energia no mercado livre e a expectativa é de custo crescente ao longo do ano, em um ritmo que será definido pelo volume de água armazenado que os reservatórios das usinas hidrelétricas conseguirão reter e pela recuperação da atividade econômica. Diante dessa perspectiva, especialistas já consideram a possibilidade de acionamento da bandeira vermelha, mas salientam que isso ainda depende do comportamento da pluviometria nos próximos meses.
Com afluências abaixo da Média de Longo Termo (MLT) desde outubro, quando historicamente se inicia o período úmido, e frustrações em relação a volumes mais elevados de chuva no início deste ano, o preço spot de energia, conhecido como Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), escalou da mínima de R$ 121,44/MWh, na média de janeiro, para o subsistema Sudeste/Centro-Oeste, e superou o patamar dos R$ 200/MWh neste mês, chegando a registrar uma alta de 96,4%.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia