Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de março de 2017. Atualizado às 09h04.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

petróleo

16/03/2017 - 09h05min. Alterada em 16/03 às 09h07min

Petróleo mantém tom positivo, ainda influenciado por estoques dos EUA

Os futuros de petróleo operam em alta na manhã desta quinta-feira (16), ampliando ganhos de cerca de 1,8% a 2,4% da sessão anterior, influenciados ainda pela última pesquisa de estoques do Departamento de Energia (DoE) norte-americano.
Às 8h37 (de Brasília), o petróleo tipo Brent para maio subia 0,89% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 52,27 por barril, enquanto o WTI para abril avançava 0,74% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 49,22 por barril.
Ontem, o petróleo reverteu uma recente tendência de perdas após o DoE estimar que o volume de petróleo bruto estocado nos EUA caiu 237 mil barris na última semana, contrariando previsão dos analistas, de aumento de 3 milhões.
"(O DoE) ajudou a acalmar os nervos no mercado, (mas) a essa altura eu chamaria isso de correção, em vez de novo rali", comentou Ole Hansen, analista de commodities do Saxo Bank.
O petróleo vinha oscilando dentro de uma faixa de US$ 4 desde o início do ano, quando na semana passada surgiram dúvidas sobre a eficácia de esforços da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e de outros produtores para conter a oferta da commodity.
No fim do ano passado, Opep e países não pertencentes ao grupo, incluindo a Rússia, fecharam acordos para reduzir sua produção combinada em 1,8 milhão de barris por dia a partir de janeiro.
De qualquer forma, mesmo com as perdas recentes, o petróleo continua cerca de 11% acima do nível em que se encontrava antes da Opep anunciar seu acordo, em 30 de novembro.
A queda nos estoques dos EUA ocorreu basicamente por causa de uma redução das importações do país, principalmente de países da Opep que têm procurado cumprir o acordo. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia