Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de março de 2017. Atualizado às 19h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 15/03 às 19h08min

Moody's: piora do quadro político pode levar a rebaixamento da nota

Ao melhorar a perspectiva da nota soberana do Brasil de "negativa" para "estável", a agência de classificação de risco Moody's afirma que o rating do País pode ser elevado caso as reformas estruturais do governo de Michel Temer acelerem o crescimento econômico e/ou levem a uma consolidação fiscal mais rápida. Por outro lado, o ressurgimento da desarticulação política pode levar a um rebaixamento da nota.
A piora do quadro político pode comprometer o ajuste fiscal e a implementação de políticas econômicas, ressalta a Moody's. Já a implementação do teto que limita o crescimento dos gastos públicos seria mais um fator positivo para a avaliação de risco do Brasil.
A Moody's destaca que a incerteza política que pressionou a perspectiva do rating do Brasil diminuiu em relação ao ano passado, marcado pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff. Esse movimento ajuda na aprovação de reformas fiscais e sinaliza que as instituições brasileiras começam a funcionar mais efetivamente, de acordo com o comunicado. A Moody's espera que a aprovação da reforma da Previdência ocorra no segundo semestre.
Ao falar da questão fiscal, a Moody's ressalta que o Brasil tem uma dívida bruta elevada, mas o passivo apresenta algumas características, como a diversificação da base de investidores e a baixa exposição a moedas estrangeiras, que reduzem os riscos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia