Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de março de 2017. Atualizado às 11h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

15/03/2017 - 12h01min. Alterada em 15/03 às 12h03min

E.ON tem prejuízo de 8,45 bilhões de euros em 2016, maior da história

A gigante alemã do setor elétrico E.ON divulgou hoje o maior prejuízo de sua história, fruto dos esforços do país de migrar da energia nuclear para fontes limpas. Em 2016, a E.ON teve perda líquida de 8,45 bilhões de euros (US$ 8,96 bilhões), ou 4,33 euros por ação, 21% maior que o prejuízo de 6,99 bilhões de euros (3,60 euros por ação) do ano anterior. Já a receita caiu 11% no ano passado, a 38,17 bilhões de euros.
A E.ON registrou pesados custos de reestruturação em 2016 depois de cindir suas usinas convencionais movidas a carvão e gás natural e criar a Uniper SE, e, ao mesmo tempo, tentar mudar seu foco para tecnologias de energia limpa, como a eólica ou solar.
Além disso, a E.ON anunciou em meados do ano passado que irá transferir quase 10 bilhões de euros para um fundo da Alemanha que financiará a construção de instalações subterrâneas para receber lixo radioativo de suas usinas nucleares, tecnologia que o país pretende abandonar gradualmente. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia