Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de março de 2017. Atualizado às 12h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Notícia da edição impressa de 15/03/2017. Alterada em 15/03 às 12h13min

Relator da reforma trabalhista quer que contribuição sindical seja opcional

O relator da reforma trabalhista na Câmara, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), afirmou ontem que vai propor, em seu relatório, que a contribuição sindical paga por trabalhadores e empresários uma vez por ano se torne opcional. Hoje, o pagamento dessa contribuição - que, no caso do empregado, corresponde à remuneração equivalente a um dia de trabalho - é obrigatório. Segundo Marinho, a proposta visa enfraquecer o que chama de "sindicatos pelegos".
"Existem os sindicatos fortes, combativos, mas existem sindicatos pelegos, que não representam sua categoria. São sindicatos axilares, de alguém que usa uma pasta embaixo do braço para receber uma contribuição obrigatória, que é um resquício da nossa história fascista de querer atrelar os sindicatos ao aparelho estatal. Então, como não podemos fazer uma reforma sindical agora, hoje tenho a convicção de que há necessidade de tornar opcional a contribuição sindical, retirar essa obrigatoriedade", afirmou. Marinho disse que conversou com "vários parlamentares" sobre a proposta e que a receptividade foi boa, mas que ainda não discutiu o tema com o governo.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia