Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de março de 2017. Atualizado às 20h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

10/03/2017 - 19h23min. Alterada em 10/03 às 20h52min

Reação ao payroll e IPCA levam o dólar à maior queda porcentual em quase seis meses

Depois de um ADP bastante forte na quarta-feira (8), criou-se uma expectativa muito grande com o relatório do mercado de trabalho (payroll) divulgado nesta sexta-feira (10), nos EUA. Assim, mesmo com o resultado acima do previsto, acabou ocorrendo uma correção de baixa no câmbio, justificada também pelo ganho dos salários um pouco aquém do esperado.
O dólar à vista no balcão fechou em queda de 1,58%, a R$ 3,1439, depois de subir 2,43% nos últimos dois dias. Ainda assim, avançou 0,85% na semana. Em termos porcentuais, a retração do dólar hoje foi a maior desde 21 de setembro do ano passado, quando caiu 1,71%. O giro registrado na clearing de câmbio da BM&FBovespa foi de US$ 1,446 bilhão.
No mercado futuro, o dólar para abril fechou com retração de 1,68%, a R$ 3,1595. O volume financeiro somou US$ 17,510 bilhões A divisa norte-americana recuou de forma generalizada ante moedas emergentes, com a lira turca (-1,29%), o peso mexicano (-1,02%) e o rand sul-africano (-1,07%).
A economia dos Estados Unidos criou 235 mil postos de trabalho em fevereiro, segundo o Departamento de Trabalho do país. O resultado veio acima da expectativa de analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que previam criação de 197 mil empregos no mês passado. Já o salário médio por hora dos trabalhadores do setor privado ficou em US$ 26,09 em fevereiro, alta de US$ 0,06 (ou 0,23%) ante o mês anterior. A projeção do mercado, porém, era de ganho maior, de 0,30%.
"O mercado estava carregado demais na posição comprada e essa questão do ganho salarial abaixo do esperado serviu de desculpa para vender", comenta um operador.
Internamente, o destaque foi o IPCA de fevereiro. A inflação oficial no mês passado ficou em 0,33%, abaixo do piso do intervalo das projeções (quem iam de 0,36% a 0,53%), e a menor leitura para fevereiro desde 2000. Para o diretor da Mirae Corretora, Pablo Spyer, isso eleva as chances de um corte mais forte na próxima reunião do Copom, em abril.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia