Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de março de 2017. Atualizado às 11h37.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

10/03/2017 - 09h44min. Alterada em 10/03 às 11h41min

IPCA de fevereiro sobe 0,33% ante alta de 0,38% em janeiro, revela IBGE

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou fevereiro com alta de 0,33% ante uma variação de 0,38% em janeiro, informou na manhã desta sexta-feira (10), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O porcentual é o mais baixo para o mês desde 2000.
O resultado ficou abaixo do piso do intervalo das estimativas dos analistas, que iam de uma taxa de 0,36% a 0,53%, com mediana de 0,43%. A taxa acumulada pela inflação no ano foi de 0,71%. No acumulado em 12 meses, o IPCA foi de 4,76%.
Os técnicos do IBGE concedem entrevista coletiva ainda na manhã desta sexta-feira para comentar os resultados do IPCA de fevereiro.

IPCA de fevereiro é o mais baixo para o mês desde 2000

A taxa de inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou fevereiro no menor nível para o mês desde o ano 2000, quando estava em 0,13%.
Com a alta de 0,33% no IPCA de fevereiro, o resultado acumulado em 12 meses desacelerou de 5,35% em janeiro para 4,76% em fevereiro, menor patamar desde setembro de 2010, quando estava em 4,70%. A inflação registrada no mês de fevereiro de 2016 tinha sido de 0,90%.
Os preços dos alimentos tiveram uma queda de 0,45% em fevereiro, contribuindo para conter a inflação do mês em 0,11 ponto porcentual, de acordo com os dados do IPCA divulgados pelo IBGE.
O grupo Alimentação e Bebidas, maior impacto negativo sobre o índice, apresentou o menor resultado desde julho de 2010, quando os alimentos ficaram 0,76% mais baratos. Considerando apenas os meses de fevereiro, o resultado de alimentação foi o mais baixo da série histórica a partir do início do Plano Real, em 1994.
Considerando os alimentos para consumo em casa, o recuo nos preços alcançou 0,75% em fevereiro, devido a reduções em todas as regiões pesquisadas: de -0,39% em São Paulo até -1,57% em Campo Grande.
Vários itens importantes na cesta de consumo do brasileiro ficaram mais baratos em fevereiro, como feijão-carioca (-14,22%) e frango inteiro (-3,83%).
Já os alimentos consumidos fora do domicílio ficaram 0,11% mais caros.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia