Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de março de 2017. Atualizado às 12h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

comércio exterior

09/03/2017 - 12h26min. Alterada em 09/03 às 12h26min

Coeficiente de exportação sobe de 14,3% em 2015 para 16,3% em 2016, diz CNI

A parcela da produção brasileira que é exportada - o chamado coeficiente de exportação - subiu de 14,3% em 2015 para 16,3% em 2016, de acordo com pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O indicador acumula aumento de 4,2 pontos percentuais em relação a 2014, quando registrou o menor indicador da série histórica, que tem início em 2003.
De acordo com a entidade, o aumento do coeficiente de exportação deve-se tanto ao crescimento das quantidades exportadas (6,6%) quanto à queda nas vendas domésticas (-6,3%). "A queda do consumo doméstico estimula as empresas a buscarem o mercado externo como forma de evitar quedas ainda maiores na produção", afirma o estudo.
A indústria foi ajudada pela depreciação do real, que também afeta as quantidades importadas. O coeficiente de penetração das importações - que mede a participação de importados no mercado interno - caiu de 17,3% em 2015 para 16,9% em 2016. Desde 2013, o indicador acumula queda de 1,3 ponto porcentual.
A participação dos insumos industriais importados também caiu, de 24,7% em 2015 para 23,3% em 2016. É o terceiro ano de queda no indicador, que acumula recuo de 2,6 pontos percentuais em relação a 2013. Todos os números referem-se a preços constantes.
A diferença entre o que a indústria exporta e o que importa de insumo - coeficiente de exportações líquidas - passou de 2,2% para 5% de 2015 para o ano passado a preços constantes. A preços correntes, o indicador passa de 4,1% para 7,4% na mesma comparação.
"Como a indústria exporta mais que importa, o efeito direto e de curto prazo de novas depreciações do real é positivo", afirma a pesquisa. Em sete dos 19 setores pesquisados, porém, o coeficiente de exportações líquidas é negativo: vestuário e acessórios; impressão e reprodução; coque, derivados do petróleo e biocombustíveis; químicos; farmoquímicos e farmacêuticos; produtos de borracha e de material plástico e equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia