Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 08 de março de 2017. Atualizado às 16h57.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

direitos do consumidor

08/03/2017 - 16h38min. Alterada em 08/03 às 17h01min

Setor de telefonia segue dominando as queixas no Procon Porto Alegre

O setor de telefonia fixa e celular segue concentrando a maioria das queixas registradas no Procon de Porto Alegre. Em fevereiro, das 1.550 reclamações protocoladas no órgão, 14,31% foram sobre as telefônicas.
As reclamações mais frequentes dos porto-alegrenses são serviços não fornecidos, alteração de plano contratado sem solicitação e dificuldade de obter o cancelamento dos serviços.
O segmento TV por Assinatura foi responsável por 3,73% das reclamações de fevereiro. As empresas NET e SKY juntas somaram o total de queixas do mês. As reclamações mais comuns da área são referentes à cobrança indevida de ponto extra e propaganda enganosa sobre descontos anunciados na contratação do serviço.
Entre as operadoras de telefonia, a Vivo lidera o ranking, com 6% do total de reclamações. Em segundo lugar está a operadora TIM, responsável por 3,22 % das queixas. Em terceiro no ranking aparece a Claro, registrando 2,77 % do total. Logo após, está a Oi, com 2,32%.
O Grupo CEEE contabilizou, em fevereiro, 2,38% das queixas do período. A maioria das reclamações sobre o grupo é relacionada a problemas com cancelamento e solicitação de ligação de energia elétrica, além de demora na instalação de serviços, fora do prazo informado.
No segmento varejo, a empresa mais reclamada foi a Ponto Frio, com 1.74% das reclamações. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia