Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 08 de março de 2017. Atualizado às 15h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 08/03 às 15h31min

Bolsas europeias fecham na maioria perto da estabilidade

As principais bolsas europeias fecharam em sua maioria perto da estabilidade nesta quarta-feira, boa parte delas em alta. Investidores monitoraram resultados corporativos, em um dia já de ansiedade pela decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que sai amanhã. No setor bancário, várias ações tiveram desempenho positivo, diante da expectativa de elevação de juros em breve nos Estados Unidos.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,19% (0,70 pontos), em 372,97 pontos.
Na agenda de indicadores, a produção industrial da Alemanha aumentou 2,8% em janeiro, na comparação com dezembro, após ajustes sazonais, acima da previsão de +2,5% dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal.
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em queda de 0,06%, em 7.334,61 pontos. No setor bancário, Lloyds subiu 1,20% e Barclays avançou 2,31%. Já entre as mineradoras, Glencore e Anglo American caíram 0,42% e 1,83%, respectivamente. O Reino Unido divulgou projeções atualizadas, nas quais previu que a economia do país tenha crescimento mais forte neste ano, de 2% (antes o governo previa 1,4%), antes de desacelerar no seguinte (para +1,6%).
Em Frankfurt, o índice DAX subiu apenas 0,01%, para 11.967,31 pontos. Adidas se destacou e subiu 9,42%, após divulgar balanço com projeções para o médio prazo que superaram a expectativa. Deutsche Bank teve ganho de 1,85% e Commerzbank avançou 0,51%, no setor bancário, porém no setor de energia o papel da E.ON recuou 3,63%. Deutsche Post caiu 2,75% e Beiersdorf teve baixa de 0,59%, após suas metas ficarem abaixo do esperado pelos analistas.
Na bolsa de Paris, o CAC-40 fechou com ganho de 0,11%, em 4.960,48 pontos. Entre os bancos, BNP Paribas subiu 0,87% e Société Générale avançou 1,45%, diante da expectativa de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) possa elevar os juros nos EUA na próxima semana. A petroleira Total, por outro lado, recuou 1,13%, em dia negativo para o petróleo.
O índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, teve alta de 0,14%, para 19.482,39 pontos. A ação da Telecom Italia caiu 0,83%, mas entre os bancos Intesa Sanpaolo e Banco BPM subiram ambos 0,17%. No setor de energia, Eni recuou 1,66%. Já a montadora Fiat avançou 0,58%.
Na Espanha, na bolsa de Madri, o índice IBEX-35 avançou 0,50%, para 9.850,50 pontos. Santander subiu 1,04% e Banco de Sabadell teve alta de 2,17%, enquanto Banco Popular Español ganhou 1,39%. Já Iberdrola caiu 0,30%, no setor de energia, e o papel da Repsol recuou 0,66%.
Na bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 caiu 0,01%, a 4.630,10 pontos. Altri recuou 0,62%, mas Banco Comercial Português subiu 1,04% e Jerónimo Martins teve alta de 1,60%. O papel da Pharol teve baixa de 2,53%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia