Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de março de 2017. Atualizado às 19h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

07/03/2017 - 19h07min. Alterada em 07/03 às 19h10min

Dólar recua, em linha com moedas de países emergentes e sinal do Banco Central

O dólar sustentou-se em queda ante o real no período da tarde desta terça-feira (7), ainda amparado na trajetória de baixa ante moedas de economias emergentes e ligadas a commodities e na interpretação do mercado sobre a fala do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, sobre o estoque de swaps cambiais, em evento na segunda-feira, 6, à noite. Tais fatores, que já predominavam desde a parte da manhã, levaram a moeda americana a devolver os ganhos da véspera, em meio ainda a um fluxo levemente positivo.
O dólar à vista fechou em baixa de 0,30%, aos R$ 3,1187. Oscilou da máxima de R$ 3,1317 (+0,12%) à mínima de R$ 3,1127 (-0,49%). O volume financeiro foi de aproximadamente US$ 894 milhões. Em março, a moeda apura alta de 0,30% e em 2017, queda de 4,10%. No segmento futuro, o dólar caiu 0,60%, para R$ 3,1420, no contrato com vencimento em abril. O volume somou US$ 10,787 bilhões.
"Tivemos o movimento externo e a interpretação da fala do Ilan sobre swap. Somando as duas coisas, o real conseguiu recuperar parte da perda de ontem", resumiu o sócio-gestor da Absolute Invest, Roberto Serra.
A maioria das moedas de países emergentes sustentava valorização ante o dólar ao longo da tarde, mesmo depois da inversão do sinal positivo das cotações do petróleo, que passaram a cair.
Internamente, ontem o presidente do BC disse que ter reduzido o estoque de swap de US$ 108 bilhões para US$ 22 bilhões "traz mais conforto", porém, isso não significa que a autarquia não voltará a diminuir o tamanho do estoque de swaps cambiais no futuro. "Isso sugere que as rolagens devem continuar no curto prazo, mesmo que parciais", afirmou o economista Silvio Campos Neto, da Tendências.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia