Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de março de 2017. Atualizado às 18h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 06/03 às 18h32min

Bolsas de Nova Iorque recuam com ações de companhias ligadas ao setor financeiro

As bolsas de Nova Iorque registraram baixa na sessão desta segunda-feira (6), com ações de companhias ligadas ao setor financeiro e ao de energia entre as maiores perdas do dia.
O índice Dow Jones fechou em queda de 0,24%, aos 20.954,34 pontos; o S&P 500 recuou 0,33%, para 2.375,31 pontos; e o Nasdaq perdeu 0,37%, aos 5.849,18 pontos.
Companhias ligadas ao setor financeiro foram pressionadas nesta segunda-feira por um movimento de realização de lucros em relação às altas registradas na semana passada. O setor foi um dos que registraram pior desempenho na sessão de hoje, com o Bank of America perdendo 0,73%; o JPMorgan recuando 0,94%; o Citigroup caindo 1,18% e o Morgan Stanley registrando baixa de 0,56%.
Desde as eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2016, com a vitória de Donald Trump, as ações de bancos estiveram entre as maiores vencedoras, em um rali sustentado pelas promessas do republicano quanto a políticas pró-negócios. "Os mercados tiveram um movimento importante desde a eleição. Não chega a ser uma surpresa o movimento contrário agora", disse Rob Bernstone, diretor-gerente de negociação de ações no Credit Suisse Group.
O movimento de queda dos bancos nesta segunda-feira segue o recuo nas ações de companhias europeias, também ligadas ao setor financeiro. Por lá, pesou a notícia de que o Deutsche Bank fará um aumento de capital de cerca de 8 bilhões de euros, por meio da emissão de novas ações, com direito de subscrição para os atuais acionistas. Além disso, o banco alemão anunciou outras medidas para reforçar sua posição e revelou novas metas financeiras.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia