Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 03 de março de 2017. Atualizado às 17h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

03/03/2017 - 17h23min. Alterada em 03/03 às 17h50min

Saldo negativo de emprego formal é o menor para o mês desde 2015

Em janeiro 40.864 vagas de emprego formal foram fechadas no Brasil, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de janeiro de 2017, divulgado nesta sexta-feira (3) pelo Ministério do Trabalho. O resultado é o menor para o mês desde janeiro de 2015, quando 81.774 vagas foram fechadas, e foi consequência de 1.225.262 admissões e 1.266.126 desligamentos. Em janeiro de 2016, a diferença negativa era de 99.717 vagas, mais do que o dobro de agora.
A maior queda no número de vagas foi registrada no Comércio, com 60.075 postos a menos no mês de janeiro de 2017. Mesmo assim, foi uma diminuição menor do que em janeiro de 2016, quando tinham sido fechadas 69.750 vagas. O mesmo ocorreu com o setor de Serviços, que teve saldo negativo de 9.525 postos em janeiro de 2017, mas, no mesmo período de 2016, havia fechado 17.159 postos.
Dentre os setores com abertura de vagas o destaque foi para a Indústria de Transformação, que fechou o mês com resultado positivo de 17.501 vagas. O desempenho foi 0,24% maior do que em dezembro de 2016 e reverteu a tendência de queda que ocorreu em janeiro do ano passado, quando foram fechados 16.553 postos.
No mesmo período, o Rio Grande do Sul registrou a criação de 8.134 novas vagas com carteira assinada, segundo os dados do Caged, com a maioria delas sendo devidas à Agropecuária (+5.243) e à Indústria de Transformação (+4.308), com queda do setor do Comércio (-2.101). 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia