Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 03 de março de 2017. Atualizado às 17h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 03/03 às 17h09min

Ouro fecha em queda, de olho em sinais do Fed sobre juros

O ouro fechou em queda nesta sexta-feira, com investidores de olho nos sinais do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). O dia foi marcado por um discurso da presidente do Fed, Janet Yellen, que sinalizou que uma elevação de juros poderia sim ocorrer já em março, caso os indicadores econômicos venham conforme o esperado nos EUA.
O ouro para abril fechou em baixa de US$ 6,4 (0,52%), a US$ 1.226,50 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
O metal teve três sessões negativas em sequência, diante de sinais de vários dirigentes do Fed de que uma alta nos juros pode estar próxima.
Na quinta-feira, o ouro sofreu a maior queda diária neste ano, diante da perspectiva de alta de juros nos EUA. Economista de commodities da Capital Economics, Simona Gambarini prevê que o período até a decisão do Fed do próximo dia 15 seja "muito volátil". "Na próxima semana nós teremos o relatório de empregos e na semana seguinte a reunião do Fed - todos estarão olhando para o Fed nesse período", afirmou ela.
Taxas de juros mais altas tendem a debilitar o ouro, já que o metal compete com ativos que pagam retornos. O recente salto nos mercados acionários também reduziu a demanda pelo metal, privilegiado por investidores em busca de mais segurança. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia