Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 03 de março de 2017. Atualizado às 15h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 03/03 às 15h44min

Bolsas europeias fecham com sinais mistos, à espera de Yellen

As bolsas europeias não tiveram sinal único nesta sexta-feira (3), mas ao longo da semana registraram movimentos positivos. Hoje, o dia foi marcado pela expectativa com o discurso da presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Janet Yellen. Além disso, investidores reagiram a balanços corporativos e a indicadores da zona do euro, em uma sessão positiva para os bancos em geral.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,10% (0,38 pontos), em 375,23 pontos.
Na agenda de indicadores, as vendas no varejo da zona do euro tiveram queda de 0,1% de janeiro ante dezembro, contrariando previsão de alta de 0,4% dos analistas. As vendas no varejo na Alemanha, por sua vez, sofreram recuo maior, de 0,8% na mesma comparação mensal, ante previsão de alta de 0,2%. O Produto Interno Bruto (PIB) da Itália cresceu 1,0% no quarto trimestre de 2016 na comparação anual, mostrou revisão divulgada hoje - um pouco menos que a alta de 1,1% antes calculada. O índice dos gerentes de compras (PMI) composto da zona do euro subiu de 54,4 em janeiro para 56,0 em fevereiro, no maior patamar em 70 meses.
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em queda de 0,11%, em 7.374,26 pontos. Na semana, o FTSE-100 subiu 1,80%. No setor bancário, Lloyds caiu 0,71%, enquanto Barclays teve alta de 0,83%. Entre as mineradoras, Glencore subiu 0,70% e Anglo American e Antofagasta caíram 0,35% e 0,61%, respectivamente.
Em Frankfurt, o índice DAX caiu 0,27%, para 12.027,36 pontos. Na semana, o DAX teve alta de 1,89%. Commerzbank se destacou e subiu 4,54%, diante do sentimento positivo para o setor na Europa, embora Deutsche Bank tenha recuado 1,29%, após a divulgação da notícia de que este banco estaria avaliando opções para levantar capital. No setor de energia, E.ON subiu 0,21%, enquanto a companhia do setor de aviação Lufthansa recuou 0,25%.
Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 subiu 0,63%, para 4.995,13 pontos. Na comparação semanal, o CAC-40 teve ganho de 3,09%. Crédit Agricole subiu 2,82% e Société Générale avançou 4,57%, entre os bancos, e a petroleira Total teve alta de 0,59%.
O índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, avançou 1,15%, chegando a 19.664,45 pontos. Na semana, o FTSE-100 subiu 5,74%. No setor bancário italiano, Intesa Sanpaolo subiu 2,01%, UniCredit avançou 3,70% e Banco BPM teve alta de 2,37%. A petroleira Eni subiu 1,73%, em sessão positiva para o petróleo.
Em Madri, o índice IBEX-35 fechou em alta de 0,85%, em 9.798,50 pontos. Na semana, o IBEX-35 subiu 3,65%. Os bancos se saíram bem: BBVA, Banco de Sabadell e Santander subiram 3,31%, 2,44% e 1,64%, respectivamente. Já ArcelorMittal caiu 1,39%.
Na bolsa de Lisboa, o PSI-20 caiu 1,02%, para 4.660,73 pontos. Na semana, por outro lado, o PSI-20 avançou 0,90%. Hoje, EDP-Energias de Portugal teve queda de 3,70% e Galp Energia recuou 0,21%, mas Banco Comercial Português subiu 1,34%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia