Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 02 de março de 2017. Atualizado às 17h17.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

Alterada em 02/03 às 17h20min

Faturamento da indústria ferroviária tem alta de 6,5% em 2016

A Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer) informa que o faturamento da indústria ferroviária brasileira totalizou R$ 6,6 bilhões em 2016, um crescimento de 6,5% em relação ao resultado de 2015.
Segundo a entidade, o ano passado registrou um recorde histórico na fabricação de carros de passageiros, com 473 unidades produzidas, um aumento de 46,8% ante o ano anterior, quando 322 carros foram fabricados.
Já o volume de vagões de carga somou 3.903 unidades em 2016, número 16,6% menor que os 4.683 vagões entregues em 2015. Quanto às locomotivas, foram produzidas 109 unidades no ano passado, volume 15,5% menor que as 129 entregues no ano anterior.
A Abifer também informa que, para 2017, as projeções apontam para uma retração na indústria. A entidade prevê a produção e entrega de 278 carros de passageiros, cerca de 100 locomotivas e entre 2,3 mil e 3 mil vagões de carga neste ano.
Em nota, a associação afirma que os volumes previstos de vagões e locomotivas dependerão da velocidade em que ocorrerem as prorrogações antecipadas dos contratos atuais das concessionárias. Atualmente, a Rumo negocia a renovação da concessão da Malha Paulista - VLI, MRS e Vale aguardam para negociar a prorrogação de suas concessões junto a ANTT.
"Se as prorrogações demorarem a acontecer, as concessionárias postergarão seus investimentos e a indústria terá que demitir, pois não se sustentará com apenas 2 mil vagões e menos que 100 locomotivas em 2017", diz, em nota, o presidente da Abifer, Vicente Abate.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia