Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de março de 2017. Atualizado às 21h02.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 01/03 às 21h05min

Plano da equipe de Trump para OMC é alvo de críticas de congressistas dos EUA

O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, planeja mudar a maneira de lidar com disputas comerciais, o que gerou tensões com a comunidade empresarial e com congressistas que apoiam as regras internacionais existentes.
A política oficial, divulgada pela equipe de Trump nesta quarta-feira, favorece o uso mais amplo da lei doméstica americana para processar parceiros comerciais, com tarifas e outras penas impostas em casos de infrações comerciais. A nova política critica a Organização Mundial de Comércio (OMC) por ser um entrave para leis dos EUA voltadas para exigir compensações de outros países por práticas injustas no comércio.
O presidente do comitê da Câmara dos Representantes que monitora o comércio disse que estava ansioso para trabalhar com Trump a fim de reforçar as regras comerciais existentes, mas rejeitou as críticas à OMC. "Eu acredito firmemente que nossos acordos atuais de comércio - incluindo com a OMC - têm sido bem-sucedidos para os americanos porque esses acordos estabelecem um Estado de Direito para manter nossos concorrentes sob controle e abrir mercados para vendermos nossos produtos, serviços e itens agropecuários", afirmou o presidente do Ways and Means Committee da Câmara. "Quando outros países não cumprem as regras, nossos acordos dão a nós poderosos instrumentos por meio de um processo de disputa para retaliá-los."
Os democratas têm dito que Trump não faz o suficiente para detalhar seus planos sobre comércio, apesar de suas críticas da China e de outros parceiros comerciais e das advertências sobre tarifas ou impostos especiais na fronteira.
O documento da política do governo continha argumentos legais para ignorar regras da OMC. A combinação de questionamento às regras internacionais e a busca por processos unilaterais poderiam levar Washington a ser alvo de retaliações caso outros países questionem as ações dos EUA.
Nesta quarta-feira, o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, negou que os EUA fossem ignorar as decisões da OMC.
A própria entidade não tinha nenhum comentário imediato sobre a nova política comercial americana.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia