Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de março de 2017. Atualizado às 21h44.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

TELEVISÃO

Notícia da edição impressa de 29/03/2017. Alterada em 28/03 às 17h00min

Minissérie dirigida por Woody Allen já está disponível no Amazon Prime Video

Woody Allen dirige e protagoniza minissérie Crisis in six scenes, disponível na Amazon Prime Video

Woody Allen dirige e protagoniza minissérie Crisis in six scenes, disponível na Amazon Prime Video


DIVULGAÇÃO/JC
Ricardo Gruner
Com potencial para ser um tiro certeiro, a minissérie Crisis in six scenes teve suas expectativas diminuídas pelo seu próprio criador, Woody Allen, antes mesmo da estreia. O diretor americano disse que não sabia escrever neste formato, que nunca assistiu marcos da chamada nova era de ouro da televisão e que se arrependia de ter aceitado levar adiante o projeto. Encomendada pela Amazon e disponibilizada nos Estados Unidos ainda em setembro, a obra finalmente pode ser vista no Brasil: desde o fim de semana passado, está no catálogo do serviço de streaming da companhia - Amazon Prime Video, nos mesmos moldes da Netflix.
A obra está longe de ser um desastre audiovisual, mas tampouco representa a superatração que a empresa imaginava ao contratar o veterano. A história se passa na década de 1960, um período de revoluções culturais e políticas. Allen interpreta Sidney J. Munsinger, um antigo redator publicitário que trabalha no desenvolvimento de um programa para a televisão. Já Elaine May encarrega-se do papel de Kay, a esposa do personagem, a qual leva uma rotina como conselheira matrimonial. Típicos moradores do subúrbio norte-americano, os dois recebem uma dupla de visitantes. Um deles (John Magaro) é o filho de um casal de amigos e deseja seguir os passos do pai no setor bancário. A outra é Lennie Dale (Miley Cyrus), ativista procurada pelas autoridades.
A partir dessa premissa não é difícil imaginar o que vem pela frente: confrontos ideológicos e muito espaço para que o diretor, roteirista e ator apresente mais um de seus personagens paranoicos e hipocondríacos. Comédia de costumes dividida em seis partes de 23 minutos, o programa carrega a essência de Woody Allen - e isso nenhum detrator pode negar. Está tudo ali: os personagens verborrágicos, as referências explícitas (Munsinger é nada mais do que um frustrado aspirante a Salinger), e reflexões sobre as motivações que levam as pessoas a alterar seus comportamentos.
Com 80 anos na época de realização da série, o veterano fez bem ao avisar sobre sua falta de experiência neste formato. Crisis in six scenes parece mais um longa-metragem fragmentado do que uma minissérie. Há uma ideia em comum ao longo de toda narrativa, mas não temas surgidos e resolvidos em um único capítulo - uma prática comum neste tipo de produção.
O casal de protagonistas surge como destaque absoluto. A dinâmica do relacionamento entre os dois aparece pouco a pouco, com espaço tanto para tiradas cômicas (mesmo que nem sempre eficientes) e até para momentos quase surreais. Em uma improvável sequência, por exemplo, o paranoico Sidney J. Munsinger tem de lidar com uma mala cheia de dinheiro vindo de Cuba - comédia pura.
A esta altura, também é difícil pensar no trabalho do cineasta isoladamente. A memória afetiva de filmes anteriores já joga a favor das novas obras assinadas por Allen - e pode fazer com que cenas sejam naturalmente divertidas só por envolverem um personagem interpretado por ele.
Se a veia humorística da série, sobretudo nos episódios finais, não faz feio frente a outros momentos da carreira do roteirista, a incursão de Miley Cyrus na trama é uma dúbia opção. Não falta talento à atriz, mas sua personagem só está ali para desencadear eventos e reações diversas. Enquanto ela cita Mao Tse Tsung e aponta o dedo para a plutocracia, torna-se uma caricatura e não uma figura minimamente real. Para piorar, ao invés de aprofundar suas motivações e caráter, a produção apenas reforça as características da moça - artifício que faz a personagem repetitiva.
Habituado a lançar um filme por ano, o diretor já prepara para 2017 o seu retorno às telonas - e, quem sabe, a uma obra mais segura. O título do novo longa é Wonder Wheel, nome de uma famosa roda gigante em Nova Iorque. Ainda sem data de estreia ou detalhes divulgados, a produção conta com um elenco formado por Kate Winslet, Justin Timberlake, Juno Temple e James Belushi.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia