Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Serviço

Notícia da edição impressa de 21/03/2017. Alterada em 20/03 às 22h36min

Ouvidoria do CNJ faz cerca de 28 mil atendimentos por ano

Criado em 2009 com a função de comunicação direta entre o cidadão e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o serviço de ouvidoria faz cerca de 28 mil atendimentos por ano. Os questionamentos chegam por um formulário eletrônico disponível no site (http://www.cnj.jus.br), por telefone, correio ou pelo link Fale Conosco, no perfil do CNJ no Facebook.
Segundo o atual ouvidor-geral do CNJ, o conselheiro Luiz Cláudio Allemand, metade dos pedidos de informação envolve questões de morosidade processual. A falta de juízes em comarcas do interior do País e dúvidas sobre a convenção da Apostila de Haia, o Processo Judicial Eletrônico (PJe) e como peticionar no CNJ estão entre os temas de demandas mais frequentes. Ainda há volume considerável de pedidos sobre a atuação de magistrados e o questionamento de decisões judiciais.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia