Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 21/03/2017. Alterada em 20/03 às 18h53min

Privacidade versus investigação: mais um capítulo sobre a legislação de aplicativos

Renato Falchet Guaracho
O jornal britânico The Guardian publicou, na última sexta-feira, 13, uma reportagem que pode acender novamente o debate acerca da proteção à privacidade nos aplicativos e a recusa de fornecimento de mensagens a pedido do Poder Judiciário brasileiro.
A reportagem do jornal abordou uma brecha no aplicativo WhatsApp que permite a leitura das mensagens criptografadas. De acordo com a matéria jornalística, o responsável pela descoberta foi o pesquisador Tobias Boelter, da Universidade de Berkeley, na Califórnia. Segundo Boelter, o Facebook, possuidor do aplicativo, foi avisado sobre tal possibilidade ainda em abril de 2016, mas o problema não foi resolvido. Ainda segundo informações do jornal britânico, o Facebook não desmentiu essa possibilidade, informando apenas que estava ciente da falha.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia