Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de março de 2017. Atualizado às 22h36.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Notícia da edição impressa de 30/03/2017. Alterada em 29/03 às 22h37min

Falta de licença atrasa operação de plataforma no maior campo do Brasil

P-66, que será a sétima unidade a entrar em atividade no campo de Lula, tem capacidade para extração de até 150 mil barris de óleo por dia

P-66, que será a sétima unidade a entrar em atividade no campo de Lula, tem capacidade para extração de até 150 mil barris de óleo por dia


GABRIEL RIBEIRO/AGÊNCIA PETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC
Pronta para operar no maior campo de petróleo do País há duas semanas, a plataforma P-66, da Petrobras, está parada à espera de licença de operação do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis). Considerando a capacidade de produção atual da unidade, de 30 mil barris por dia, e o preço do petróleo no mercado internacional, o prejuízo gira em torno de US$ 1,5 milhão por dia.
A Petrobras não comenta o assunto, mas a reportagem apurou que há críticas internas com relação à demora para a liberação da licença. Já o Ibama afirma que a estatal entregou apenas na semana passada as informações complementares pedidas pela área de licenciamento e que o processo está dentro do cronograma previsto.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia