Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de março de 2017. Atualizado às 00h12.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Combustíveis

Notícia da edição impressa de 23/03/2017. Alterada em 22/03 às 19h50min

Governo estuda aumento de impostos sobre combustíveis

 Elevação da alíquota da Cide depende apenas da aprovação pelo Congresso para vigorar em 90 dias

Elevação da alíquota da Cide depende apenas da aprovação pelo Congresso para vigorar em 90 dias


MARCELO G. RIBEIRO/JC
A elevação de PIS e Cofins sobre a gasolina e o diesel é a alternativa de aumento de tributo considerada mais viável pela área técnica do governo para ajudar no cumprimento da meta fiscal deste ano. A medida pode garantir uma arrecadação extra de R$ 3 bilhões em 2017. Apesar da promessa do presidente Michel Temer de não aumentar a carga tributária no seu governo, a alta de tributos está na mesa de discussão da equipe econômica como uma das opções para ajudar a tapar o buraco de R$ 40 bilhões nas contas do governo.
É o que falta de receita para fechar o Orçamento dentro da meta fiscal, que prevê déficit de R$ 139 bilhões nas contas. Na semana passada, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o corte no Orçamento, que deve ser anunciado nesta semana, poderá ser reduzido ao longo do ano com o aumento de impostos. De acordo com ele, com o relatório de receitas e despesas, também será anunciado se haverá ou não a necessidade de aumento de impostos e quais as propostas do governo para a alta de tributos.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia