Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de março de 2017. Atualizado às 21h44.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Notícia da edição impressa de 29/03/2017. Alterada em 28/03 às 21h18min

Brasil vota contra resolução que critica reforma fiscal

Para Alston, a PEC 55 é incompatível com obrigações de direitos humanos

Para Alston, a PEC 55 é incompatível com obrigações de direitos humanos


VISUALHUNT/DIVULGAÇÃO/JC
O governo brasileiro abandona sua posição tradicional, se distancia de outros países em desenvolvimento e vota contra uma resolução que renova o mandato da Organização das Nações Unidas (ONU) para avaliar o impacto de políticas fiscais em direitos humanos. Ao lado de Estados Unidos, Europa e Japão, o Itamaraty alegou que a proposta ia além do mandato que a entidade poderia dar a um relator para examinar políticas econômicas nos diferentes países.
No projeto de texto, obtido pela reportagem, os governos "reconheciam que programas de ajustes estruturais limitam os gastos públicos, impõem tetos de gastos e dão atenção inadequada para serviços sociais". O texto ainda indica que apenas "poucos países podem crescer" diante dessas condições.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia