Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de fevereiro de 2017. Atualizado às 22h46.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

São Paulo

Notícia da edição impressa de 20/02/2017. Alterada em 19/02 às 20h44min

Modelo de São Paulo pode servir de inspiração para outras capitais

Em menos de dois meses, o prefeito de São Paulo, João Doria Jr. (PSDB), está imprimindo, na maior cidade do País, um modelo de gestão que começa a dar resultados e pode ser replicado em outras cidades brasileiras. O empresário tem celebrado parcerias com a iniciativa privada cujos resultados para população paulistana já são nítidos. Caso do programa Corujão da Saúde, que pretende zerar a fila de espera para a realização de exames na cidade e já diminuiu em 60% a fila de pacientes nos hospitais, graças a convênios com instituições particulares. Doria também conseguiu doações de laboratórios para suprir o déficit de medicamentos e recebeu doações de veículos, banheiros públicos e serviços de limpeza. Convocadas pelo empresário, cada vez mais empresas estão interessadas em associar seu nome à nova gestão, oferecendo materiais e serviços. Elas têm sido chamadas de apoiadoras, para ajudar no processo de implementação de ações da prefeitura de São Paulo.
O prefeito admite que liga pessoalmente para as empresas, com a intenção de despertar o espírito de concorrência. E está finalizando um site para reunir informações, dentro do Portal da Transparência da cidade, para divulgar na íntegra as doações e os termos e valores estimados. Um dos auxílios mais festejados foi o recebimento de medicamentos de laboratórios farmacêuticos, para um programa chamado Remédio Rápido, que distribuirá remédios em mais de 3 mil farmácias. Doze laboratórios vão doar 380 milhões de comprimidos de 165 tipos de medicamentos, avaliados em R$ 120 milhões.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia