Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017. Atualizado às 16h39.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

São Paulo

Alterada em 16/02 às 17h41min

Doria decreta que transporte da Prefeitura seja feito por aplicativos

Prefeito afirmou que o gesto traria uma economia de R$ 120 milhões por ano

Prefeito afirmou que o gesto traria uma economia de R$ 120 milhões por ano


VALTER CAMPANATO/ABR/JC
A gestão João Doria (PSDB) publicou nesta quinta-feira (16), decreto determinando que os serviços de transporte de pessoal na Prefeitura sejam feitos por aplicativos, sejam carros tipo Uber ou Cabify, sejam táxis chamados pelos apps.
O texto diz que, no lugar das frotas alugadas, o transporte deve ser feito por "empresa ou cooperativa especializada na intermediação ou agenciamento de serviços de transporte individual de passageiros, por demanda e via plataforma tecnológica".
Em dezembro, já na primeira reunião de trabalho com a equipe recém eleita, Doria havia determinado que os contratos de aluguéis de carros fosses suspensos, trocados por viagens "de táxi e de Uber", disse o prefeito.
O decreto é assinado pelo vice-prefeito, Bruno Covas, uma vez que Doria ainda não voltou de sua viagem pelo Oriente Médio. No texto, a prefeitura nomeia a Secretaria Municipal de Gestão para cuidar de tomadas de preço para os serviços de transporte e também para determinar tetos de gasto para cada setor da administração municipal. Também é a pasta, chefiada por Paulo Uebel, que vai determinar exceções à regra.
A medida não tem efeito imediato: contrato de aluguéis que ainda estão vigentes poderão continuar sendo executados, mas não poderão ser renovados. Quando anunciou a medida, Doria afirmou que o gesto traria uma economia de R$ 120 milhões por ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia