Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017. Atualizado às 15h09.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

Alterada em 15/02 às 16h12min

Temer tenta montar superministério da Justiça e Segurança com Velloso e Beltrame

Agência O Globo
Depois de uma série de medidas e nomeações polêmicas, o presidente Michel Temer busca remendar equívocos e montar um superministério da Justiça e da Segurança Pública com indicações de nomes mais técnicos e "notáveis", casos do ex-ministro do STF Carlos Velloso e do ex-secretário de Segurança do Rio José Mariano Beltrame.
Além do porta-voz confirmar as conversas com Velloso sobre o Ministério da Justiça, Temer relatou a reunião em seu Twitter, na manhã desta quarta-feira, (15). Disse que a escolha do novo ministro será pessoal e sem conotações partidárias.
"Estive com Carlos Velloso ontem. Conversamos privadamente por mais de 1h. Meu amigo há mais de 35 anos. Marcamos esse encontro diretamente. Continuaremos a conversar nos próximos dias. A escolha do novo ministro da Justiça será minha, pessoal, sem conotações partidárias", escreveu Temer.
Num movimento atípico, Temer recebeu Velloso em seu gabinete na quarta-feira à tarde e, depois, oficializou o encontro e o tema tratado por meio do porta-voz, Alexandre Parola. Normalmente, essas sondagens são feitas de forma reservada e não confirmadas oficialmente.
Até então, os nomes mais cotados para a Justiça eram do advogado Antonio Cláudio Mariz, que tem restrições à Lava-Jato, e do deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), crítico à atuação do Ministério Público. Temer acabou recuando das indicações, após a escalada de críticas que recebeu por nomear Moreira Franco ministro, indicar Alexandre de Moraes para a vaga da Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federal, e entrar com uma ação censurando matérias dos jornais O Globo e Folha de S.Paulo.
Mineiro e amigo do senador tucano Aécio Neves, Velloso tem o apoio do PSDB para o Ministério da Justiça. Pesa a seu favor a atuação no STF como ministro e presidente e suas posições favoráveis à Operação Lava-Jato.
Quanto a Beltrame, a ideia de Temer é colocá-lo como um supersecretário de Segurança Pública e Política Penitenciária. Apesar da forte ligação com o governo Sérgio Cabral, por ter sido secretário de Segurança Pública do Rio na gestão do peemedebista, a atuação de Beltrame é considerada independente das ações políticas que levaram o ex-governador à prisão. A avaliação de interlocutores presidenciais é que a atuação de Beltrame na implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e no comando da secretaria dissipariam eventuais críticas ao fato de ter sido aliado de Cabral.
Beltrame é policial federal de carreira e se aposentou no ano passado. Atua, hoje, como consultor da Vale e integra o Conselho de Gestão de Segurança Urbana na gestão João Doria (PSDB), em São Paulo, numa função não-remunerada.
A conversa com Beltrame ainda é inicial. Segundo um auxiliar de Temer, houve uma primeira sondagem, mas nenhum encontro entre o ex-secretário e o presidente, como ocorreu ontem com Velloso.
A intenção de Temer é definir os nomes depois que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado sabatinar Alexandre de Moraes para a vaga no STF, o que ocorrerá na próxima terça-feira (21).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia