Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de fevereiro de 2017. Atualizado às 15h37.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

Alterada em 14/02 às 16h38min

PT deve ficar com Direitos Humanos e Desenvolvimento Regional

O líder da minoria no Senado, Humberto Costa (PT-PE), afirmou que o PT deve ficar com a presidência das comissões de Direitos Humanos (CDH) e de Desenvolvimento Regional (CDR). Costa participou nesta terça-feira (14) da reunião de líderes partidários da Casa para definir a pauta de votações da semana e a distribuição dos colegiados, de acordo com a tese de proporcionalidade.
Durante o encontro, os senadores discutiram a necessidade de apressar as indicações para a instalação dos colegiados. "A maior parte dos líderes já escolheu os integrantes, mas ainda estão discutindo", declarou Costa. O PT tentava negociar o comando da Comissão de Relações Exteriores (CRE) e de Assuntos Sociais (CAS). O petista, porém, disse que o partido foi "atropelado" pela legendas governistas, que têm maioria.
Para a pauta desta terça-feira, no plenário, os parlamentares concordaram em votar apenas a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que regulamenta a prática da vaquejada. "Há grande maioria favorável a essa proposta", avaliou. Ele considera que a PEC pode ser votada em caráter terminativo ainda nesta terça, dependendo da disposição dos senadores.
O petista considera que a atividade, proibida no ano passado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), tem "relevância cultural e econômica", especialmente para o Nordeste. "Em não havendo agressão ao animal, (a vaquejada) pode ser feita sem maiores problemas", avaliou. Caso seja aprovada no plenário, a PEC irá reverter o entendimento do Supremo sobre o assunto.
Para amanhã, os senadores concordaram em votar projetos para desburocratizar os serviços públicos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia