Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017. Atualizado às 14h03.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

Alterada em 10/02 às 15h08min

AGU recorre de liminar da Justiça do AP que suspende nomeação de Moreira Franco

A Advocacia-Geral da União (AGU) entrou nesta sexta-feira, 10, com um recurso no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) para derrubar a decisão do juiz federal Anselmo Gonçalves da Silva, da 1ª Vara da Seção Judiciária do Estado do Amapá, que suspendeu na quinta-feira, 9, a nomeação de Moreira Franco (PMDB) para a Secretaria Geral da Presidência da República.
Homem de confiança de Temer, Moreira Franco tomou posse como ministro na sexta-feira passada (3), quatro dias depois de a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, homologar as delações de 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht. Moreira Franco é citado em planilhas da construtora como sendo o "Angorá".
Em sua decisão, o juiz federal questionou a decisão de Temer de recriar a Secretaria Geral da Presidência depois de ter assumido um compromisso público de reduzir a estrutura estatal. Ao virar ministro, Moreira ganhou foro privilegiado, o que faria um eventual processo contra o ministro ser julgado pela Suprema Corte.
"A nomeação aqui combatida realmente tem por objetivo blindar o senhor Moreira Franco contra eventual decreto de prisão por parte de juízes de primeiro grau de jurisdição, o que revela nítido desvio de finalidade atentatório aos princípios da administração pública, podendo e devendo ser reprimido no âmbito judicial", escreveu o juiz federal em sua decisão.
"Causa espécie que venha agora recriar um ministério e, para piorar ainda mais esse ato, nomear para essa nova pasta o Senhor Moreira Franco logo após seu nome ter sido citado 34 (trinta e quatro) vezes na delação premiada de Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, que o acusou de ter recebido dinheiro para defender os interesses da empreiteira, conforme amplamente divulgado pela mídia", ressaltou o magistrado.
Na quinta-feira, a AGU já havia obtido uma vitória no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, com decisão do desembargador Hilton Queiroz, que derrubou uma outra liminar que suspendia a nomeação de Moreira Franco.
No entanto, pouco depois, uma nova liminar, desta vez da juíza Regina Coeli, da 6ª Vara de Justiça do Rio de Janeiro, conseguiu barrar outra vez a nomeação de Moreira Franco. Na noite desta quinta-feira, o juiz federal Anselmo Gonçalves da Silva, da 1ª Vara da Seção Judiciária do Estado do Amapá, deu uma outra liminar para suspender a nomeação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia