Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de fevereiro de 2017. Atualizado às 16h33.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

07/02/2017 - 17h30min. Alterada em 07/02 às 17h36min

Dilma irá depor em defesa de Marcelo Odebrecht em Porto Alegre

Ex-presidente comparecerá em sala de videoconferências da Justiça Federal dia 24 de fevereiro

Ex-presidente comparecerá em sala de videoconferências da Justiça Federal dia 24 de fevereiro


MARCELO CAMARGO/ABR/JC
A ex-presidente Dilma Rousseff foi notificada a depor em ação penal aberta pelo juiz federal Sérgio Moro, dos processos da Operação Lava Jato, em Curitiba, como testemunha de defesa do empreiteiro Marcelo Bahia Odebrecht.
O dono do Grupo Odebrecht - preso desde 19 de junho de 2015, em Curitiba - é réu no processo, acusado de pagar propina para o ex-ministro Antonio Palocci. Novo delator da Lava Jato, Odebrecht arrolou a ex-presidente como testemunha de defesa.
Dilma terá que comparecer na sala de videoconferências da Justiça Federal, em Porto Alegre, no dia 24 de fevereiro, para ser ouvida por Sérgio Moro - será a primeira vez que ela fala ao juiz da Lava Jato.
No ano passado, quando ainda era presidente, Moro havia determinado que ela fosse ouvida por escrito.
"(Dilma) Será ouvida na qualidade de testemunha arrolada pela Defesa de Marcelo Bahia Odebrecht, acerca dos fatos narrados na denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal", informa o mandado de notificação, da 13ª Vara Federal de Curitiba.
A oficial de Justiça Mirian Barbosa registrou em certidão, anexada nesta terça-feira (7), no processo que conseguiu no dia de ontem notificar a ex-presidente.
Identificado nas planilhas da propina da Odebrecht como "Italiano", segundo a Lava Jato, um registro do Setor de Operações Estruturadas da empresa registra R$ 128 milhões de valores devidos ao ex-ministro - que está preso desde setembro de 2016, em Curitiba.
A ex-presidente Dilma não é alvo de nenhum processo da Lava Jato, em Curitiba. As planilhas de pagamentos a Palocci, no entanto, indicam o "Evento14" como possível referência às despesas de campanha de reeleição da petista, em 2014.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia