Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de fevereiro de 2017. Atualizado às 17h36.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

Alterada em 06/02 às 18h38min

Oposição no Senado condena possível indicação de Moraes para o STF

Senadores de oposição se manifestaram em plenário, nesta segunda-feira (6), contrariamente à possível indicação do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).
De acordo com a coluna de Vera Magalhães, o presidente Michel Temer decidiu indicar o nome de Alexandre de Moraes para o STF. O presidente teria telefonado durante o fim de semana para os demais candidatos à vaga para confirmar sua escolha.
O senador Roberto Requião (PMDB-PR) afirmou que a indicação é um "acinte". "Um escárnio, a indicação do Alexandre Morais para Ministro do Supremo Tribunal Federal neste momento. Não tenho dúvida disso", afirmou. Apesar de ser do PMDB, o senador atua constantemente com a oposição.
A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) também criticou a indicação, mas disse que era de se esperar vindo do governo Temer. "Não me surpreende, porque é a cara deste governo, que defende interesses de grupos particulares e de seus próprios membros, e está caminhando numa partidarização do Supremo", afirmou.
Em nota, a senadora Fátima Bezerra (PT-RN) relembrou o currículo de Moraes e a ligação do ministro com o PSDB, alegando que a indicação seria política. "Filiado ao PSDB, Moraes foi advogado de Eduardo Cunha e de uma cooperativa de transporte em São Paulo identificada como um dos braços do PCC. Foi ainda secretário estadual da Segurança Pública de São Paulo, no governo Alckmin, em uma gestão marcada por truculência e violência desmedida frente a protestos e atos", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia