Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 05 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h37.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

Alterada em 05/02 às 21h22min

Juiz considera improcedente ação contra o ministro Eliseu Padilha

Em depoimento à Justiça em 2016, Padilha sempre negou irregularidades

Em depoimento à Justiça em 2016, Padilha sempre negou irregularidades


Especial/JC
A Justiça Federal no Rio Grande do Sul julgou improcedente uma ação de improbidade administrativa ajuizada contra o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB). Padilha havia sido acusado pelo Ministério Público Federal de favorecer a universidade privada Ulbra, quando era deputado federal pelo PMDB, na década passada. Empresas do atual ministro receberam da universidade, R$ 3,9 milhões (R$ 7 milhões em valores corrigidos) em contratos de consultoria. Uma auditoria na Ulbra não encontrou comprovação de prestação de serviços.
A Procuradoria, ao propor a ação, considerou que os contratos entre um congressista e uma entidade concessionária de um serviço público atentava contra os princípios da administração pública.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia