Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h43.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 08/02/2017. Alterada em 07/02 às 22h44min

A calamidade pública na Segurança

Marcelo Gomes Frota
Polícia é patrimônio da cidadania e deve servir à população. É instituição de Estado e não de governo. O Brasil é o único país do mundo a ter polícia dividida, uma previne e outra investiga. É um desfavor ao cidadão, que não aguenta mais recorrer a duas instituições deprimidas em seus recursos, a fim de ver suas demandas atendidas. O cidadão paga tributos e a polícia trabalha para o governo, quando as instituições deveriam ter autonomia administrativa e operacional, orçamento próprio e ciclo completo. Enquanto não houver uma revisão na legislação penal, que oportuniza, com critérios frágeis, progressões de regime durante a execução da pena; enquanto não tivermos presídios sem a possibilidade de comunicação com o público externo (aparelhos eletrônicos) e a permanência de outros desmandos como a corrupção, não há que se falar em segurança pública com seriedade. E não basta apresentar estatísticas do trabalho policial. É mascarar governos que não tratam com responsabilidade a necessidade da população! Hoje, os policiais vivem com vencimentos parcelados, 13º salário fracionado. E não precisava, o Estado arrecadou R$ 3,7 bilhões, em dezembro de 2016. É necessário dar um basta ao governo que, em face das finanças, decretou "calamidade pública" com o aumento da criminalidade. O desenvolvimento do Rio Grande do Sul não pode ser travado diante da insegurança. Temos que dar um norte à indignação social - mostrar que segurança pública não é custo, é investimento! Canalizar esse "não suportar mais" para que tenhamos vez e voz. Todos sabem o esforço feito pelos policiais da Brigada Militar, Corpo de Bombeiros e Polícia Civil. Mas, quanto estamos dispostos a pagar com a nossa segurança? Quem tem respondido - equivocadamente - a essa pergunta tem sido o governo. Precisamos indicar ao governo onde e como investir os tributos que pagamos! E que a sociedade seja testemunha das ações policiais, não só no aplauso, mas em juízo. Defenda o policial que defende você.
Presidente da Associação dos Oficiais da BM
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia