Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017. Atualizado às 18h34.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

27/02/2017 - 18h31min. Alterada em 27/02 às 18h34min

Secretário de Defesa entrega a Trump plano para derrotar o Estado Islâmico

Mattis (centro) viajou ao Iraque na semana passada para colher informações para o seu plano

Mattis (centro) viajou ao Iraque na semana passada para colher informações para o seu plano


Thomas WATKINS/AFP/JC
O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, entregou, nesta segunda-feira (27) à Casa Branca, um plano para "derrotar rapidamente" o Estado islâmico, afirmou um porta-voz do Pentágono. A estratégia inclui elementos significativos da abordagem que o presidente Donald Trump defende, enquanto potencialmente aprofunda o envolvimento militar dos EUA na Síria.
O capitão da Marinha Jeff Davis disse que Mattis, que viajou ao Iraque na semana passada para colher informações para o seu plano, apresentou à Casa Branca os resultados de uma revisão da estratégia que ocorreu em reunião do gabinete do Conselho de Segurança Nacional. Não está claro se a reunião incluiu Trump, que disse na semana passada que seu objetivo é "obliterar".
O secretário de imprensa da Casa Branca, Sean Spicer, disse que Mattis estava garantindo outras agências do gabinete. "Isso pode ajudar a orientar para onde vamos a partir daqui", disse Spicer. Davis disse que os detalhes do relatório são classificados como secretos. "É um plano para derrotar rapidamente o Estado Islâmico", disse Davis.
Funcionários familiarizados com a revisão disseram que as medidas provavelmente levarão a decisões que resultem em mais envolvimento militar dos EUA na Síria e possivelmente mais tropas, mesmo que o atual plano dos EUA no Iraque pareça estar funcionando e exija menos mudanças. Os funcionários não foram autorizados a falar publicamente sobre o documento e exigiram anonimato.
Davis descreveu o relatório de Mattis como "um quadro para uma discussão mais ampla" de uma estratégia a ser desenvolvida ao longo do tempo, em vez de uma estratégia de plano militar. Em uma ordem executiva de 28 de janeiro, Trump disse que queria dentro de 30 dias um esboço de um plano para "derrotar o Estado Islâmico". 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia