Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de fevereiro de 2017. Atualizado às 22h43.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Equador

Notícia da edição impressa de 22/02/2017. Alterada em 21/02 às 22h41min

Conselho Eleitoral indica que haverá segundo turno

O presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do Equador, Juan Pablo Pozo, disse ontem que "a tendência da votação é irreversível", sinalizando que haverá segundo turno nas eleições presidenciais do país no dia 2 de abril. Com cerca de 96% dos votos apurados, o governista Lenín Moreno tinha 39,27%, enquanto o opositor Guillermo Lasso somava 28,28%. Para que a eleição terminasse no primeiro turno, seria necessário que o primeiro colocado alcançasse 50% dos votos mais um ou 40%, caso o segundo colocado ficasse atrás em mais de dez pontos percentuais.
As declarações de Pozo acalmaram um pouco o clima de tensão e protestos que vinha em escalada desde a manhã de segunda-feira. No dia seguinte à votação, houve uma interrupção na divulgação da apuração e espalharam-se, via redes sociais, denúncias de fraude.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia