Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de fevereiro de 2017. Atualizado às 22h46.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Notícia da edição impressa de 20/02/2017. Alterada em 19/02 às 21h25min

Morre mulher do caso que culminou na legalização do aborto nos EUA

Usando o pseudônimo Jane Roe, Norma McCorvey, que encabeçou o desafio legal que culminou na decisão da Suprema Corte norte-americana, em 1973, de legalizar o aborto em todo o país, morreu sábado, aos 69 anos, por insuficiência cardíaca. Norma, que vivia no Texas, tinha 22 anos, estava solteira e desempregada, quando engravidou de seu terceiro filho. Quis fazer um aborto, mas, à época, em 1969, a interrupção da gravidez era proibida, com exceção de casos para salvar a mulher.
Assessorada por sua advogada, Norma decidiu recorrer à Justiça sob o pseudônimo de Jane Roe e enfrentou o promotor de Dallas, Henry Wade. Sua filha nasceu e foi adotada, mas o caso ganhou vida própria, avançando até chegar à Suprema Corte, se tornando uma das decisões mais importantes e conhecidas já tomadas pela mais alta instância dos EUA, por sete votos a dois. Segundo a decisão, o direito à privacidade, garantido pela Constituição, permitiria à mulher que decidisse tomar a decisão.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia