Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 03 de fevereiro de 2017. Atualizado às 08h47.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura Internacional

Trump deve assinar nesta sexta-feira decreto que revisa regulações financeiras

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deve tomar seu primeiro passo com o objetivo de revisar regulações financeiras nesta sexta-feira (3)

Trump deve assinar um decreto hoje que designa o secretário do Tesouro com a tarefa de revisar a lei Dodd-Frank de 2010, que regulou o setor financeiro após a crise de 2008.

Uma autoridade da Casa Branca deu informações sobre as medidas em uma coletiva com repórteres nesta quinta-feira.

O decreto não terá nenhum impacto imediato, mas incumbe o secretário do Tesouro de realizar consultas com diversas agências regulatórias e com o Conselho de Supervisão de Estabilidade Financeira e fazer um relatório sobre potenciais mudanças.

A medida deve incluir uma revisão do CFPB, que expandiu a habilidade dos reguladores de controlar desde hipotecas, cartões de créditos a empréstimos estudantis.

Trump também deve assinar um memorando nesta sexta-feira que instrui o Departamento do Trabalho a atrasar a implementação de uma lei criada por Barack Obama que exige de profissionais financeiros que cobram comissões a colocar os interesses dos clientes em primeiro lugar ao dar conselhos sobre investimentos de aposentadoria.

A lei, que deveria entrar em efeito em abril, será atrasada por 90 dias enquanto é revisada.

A chamada "regra fiduciária" tinha o objetivo de impedir assessores financeiros de direcionar clientes para investimentos com comissões e taxas mais elevadas que acabam prejudicando as poupanças.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia