Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 03 de fevereiro de 2017. Atualizado às 10h33.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

França

03/02/2017 - 08h31min. Alterada em 03/02 às 11h37min

Soldado dispara em frente ao Museu do Louvre após ser atacado com faca

Soldados dispararam cinco vezes, com uma bala acertando o abdômen do agressor

Soldados dispararam cinco vezes, com uma bala acertando o abdômen do agressor


ALAIN JOCARD/AFP/JC
Um soldado atirou depois que um homem atacou ele com uma faca perto do Museu do Louvre, em Paris, levando toda a região a ser esvaziada, disse a assessoria de imprensa da polícia.
De acordo com o chefe de polícia de Paris, Michel Cadot, o homem estava carregado com sacolas quando tentou entrar dentro da loja do museu e foi barrado. Ele então atacou um dos soldados com uma faca, ferindo-o levemente, disse Cadot. Os soldados então dispararam cinco vezes, com uma bala acertando o abdômen do agressor, que está detido.
Segundo o chefe de polícia, antes de ser capturado, o agressor gritou "Allahu akhbar", uma expressão em árabe que significa "Deus é grande".
O policial Luc Poignant disse à BFM-TV que a área foi esvaziada por precaução. Milhares de soldados foram enviados para proteger possíveis alvos terroristas em torno da França desde que uma série de ataques terroristas nos últimos dois anos matou mais de 200 pessoas.
O museu está localizado no centro de Paris e é um dos maiores centros de atrações turísticas do mundo.

Segundo suspeito é detido

Uma segunda pessoa foi detida em Paris de acordo com o porta-voz do ministério do Interior da França, Pierre-Henry Brandet. Entretanto, ele não soube dizer que a pessoa tinha real ligação com o ataque.
Segundo Brandet, cerca de 10 mil pessoas estavam dentro do museu e foram mantidas em locais seguros.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia