Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017. Atualizado às 15h42.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

gente

Alterada em 20/02 às 15h45min

Embaixador da Rússia na ONU morre após sofrer parada cardíaca

O embaixador russo na Organização das Nações Unidas, Vitaly Churkin, morreu repentinamente nesta segunda-feira, segundo anúncio da ONU e da imprensa de seu país. Churkin morreu um dia antes de completar 65 anos, ao sofrer uma parada cardíaca.
Churkin era embaixador da Rússia na ONU desde 2006. Um diplomata habilidoso, ele geralmente fazia discursos apaixonados no Conselho de Segurança da ONU, muitas vezes críticos da política externa dos Estados Unidos.
Diplomatas disseram que Churkin morreu após sofrer uma parada cardíaca na manhã desta segunda-feira. A notícia foi anunciada durante reunião da Assembleia Geral da ONU, por volta do meio-dia (hora local), onde representantes russos lamentaram o fato. Houve três minutos de silêncio para homenagear Churkin.
O anúncio da morte chocou a comunidade diplomática e funcionários da ONU em Nova York. Um diplomata de carreira, Churkin já havia sido embaixador russo no Canadá, na Bélgica e na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).
O embaixador do Reino Unido na ONU, Matthew Rycroft, escreveu no Twitter que estava "absolutamente devastado" com o fato, qualificando Churkin como "um gigante diplomático e um personagem maravilhoso".
Diplomatas disseram esperar que a reunião da terça-feira do Conselho de Segurança seja dedicada a Churkin, quando diplomatas terão a oportunidade de homenageá-lo. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia