Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 11 de fevereiro de 2017. Atualizado às 14h18.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança Pública

11/02/2017 - 15h13min. Alterada em 11/02 às 15h18min

Jungmann apela para que militares voltem ao trabalho no Espírito Santo

Jungmann disse no Espírito Santo que o governo federal dará total apoio às decisões do governo local

Jungmann disse no Espírito Santo que o governo federal dará total apoio às decisões do governo local


Tânia Rêgo/Agência Brasil/JC
Agência Brasil
O ministro da Defesa, Raul Jungmann, fez, neste sábado (11), um apelo para que os policiais militares, parados há oito dias no Espírito Santo, retornem ao trabalho. “Fazemos um apelo aos bons policiais, praças, oficiais e comandantes, que honrem suas fardas, seu juramento, e venham para as ruas para defender o povo”, disse o ministro, após reunião no 38º Batalhão de Infantaria, em Vila Velha.
Segundo ele, o governo federal dará total apoio às decisões do governo do estado para encerrar a paralisação. “Vamos assegurar de forma inflexível e determinada este apoio. As reivindicações são justas, mas o limite da legitimidade e da justiça da reivindicação é a vida, a proteção da sociedade. Não se pode aceitar nenhuma reivindicação que coloque em risco a sociedade. Isso é inaceitável e não será aceito”, afirmou Jungmann.
Para o ministro, os policiais parados estão contribuindo para o aumento da criminalidade no estado. Segundo o Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo, foram registrados 137 homicídios desde o dia 4 até a manhã deste sábado. “A determinação do presidente da República é de envolver os recursos necessários e o tempo necessário até a retomada da normalidade. Podem ter certeza: não vamos vacilar.”
Jungmann está acompanhado do ministro do Gabinete Institucional, general Sergio Etchegoyen; do ministro-chefe da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy; e do ministro interino da Justiça, José Levi. Eles vieram acompanhar os desdobramentos da Operação Capixaba, que emprega 3.130 homens das Forças Armadas e da Força Nacional em apoio à situação de falta de segurança no estado. A comitiva de ministros seguiu para encontro com o governador do estado licenciado, Paulo Hartung, e o governador em exercício, César Colnago, na residência oficial do governo em Vila Velha.
A mobilização das mulheres de policiais militares prossegue pelo segundo dia no Rio de Janeiro. Vários batalhões têm piquetes nas portas impedindo a entrada e saída de viaturas. Nas ruas, a presença de carros de polícia é pequena em diversos bairros. A PM informou em nota divulgada na manhã deste sábado que não há paralisação e que o patrulhamento está sendo feito normalmente na cidade.
“Não existe paralisação da Polícia Militar e sim uma mobilização de familiares, iniciada pelas redes sociais. A corporação está atenta às manifestações e conscientizando a tropa da importância da presença policial nas ruas. O patrulhamento está sendo realizado normalmente. As rendições, quando necessárias, são realizadas do lado externo e locais que apresentaram maiores problemas estão com apoio de outras Unidades”, diz a nota da PM.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia