Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017. Atualizado às 15h18.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança Pública

Alterada em 10/02 às 16h19min

Janot vai ao Espírito Santo para discutir paralisação de policiais militares

Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve chegar neste sábado ao estado

Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve chegar neste sábado ao estado


EVARISTO SA/AFP/JC
Agência Brasil
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve chegar na manhã de sábado (11) a Vitória para discutir com o governo estadual, o Ministério Público Federal, a Justiça Federal e Estadual e com o Exército formas de encerrar a paralisação dos policiais militares. O Espírito Santo registra o sétimo dia sem patrulhamento da Polícia Militar nas ruas.
Mais cedo, a cúpula da segurança pública anunciou o indiciamento de 703 policiais militares pelo crime militar de revolta. Se condenados, a pena é de 8 a 20 anos de detenção em presídio militar e a expulsão da corporação. Esses policiais tiveram o ponto cortado desde sábado (4) e não vão receber salário. O secretário de Segurança Pública, André Garcia, informou que eles foram indiciados por revolta por estarem armados e aquartelados nos batalhões.
O secretário ainda afirmou que o governo está identificando, por meio de imagens, as mulheres e os parentes dos policiais que estão participando das manifestações e bloqueiam a entrada dos quartéis para evitar a saída das viaturas. O objetivo é responsabilizar civilmente essas pessoas. A relação dos parentes que estão à frente do movimento será encaminhada para o Ministério Público Federal (MPF/ES).
"Essas pessoas vão pagar os custos da mobilização das tropas federais do Exército, da Marinha e da Aeronáutica. O recado está dado para os familiares. Não vão sair isentos desse processo", disse Garcia.
O MPF/ES instaurou quinta-feira (9) procedimento para apurar a responsabilização financeira sobre os gastos da União para o envio de tropas ao estado, uma vez que a paralisação dos policiais militares já foi declarada ilegal pela Justiça Estadual.
Entre as medidas adotadas com a instauração do procedimento estão os envios de ofícios aos ministérios da Justiça e da Defesa para que informem o efetivo empregado e a estimativa inicial dos custos com envio de tropas federais ao Espírito Santo. Também foram enviados ofícios à Secretaria de Segurança Pública e à Promotoria de Justiça Militar para que prestem informações sobre as pessoas e lideranças responsáveis pelo movimento paredista, bem como a ocupação na frente dos quartéis. O prazo para envio da documentação é de 10 dias.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia