Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de fevereiro de 2017. Atualizado às 16h58.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança Pública

09/02/2017 - 17h58min. Alterada em 09/02 às 17h59min

Governo do Espírito Santo anuncia punição a mais de 300 policiais em greve

Agência O Globo
A Secretaria de Segurança Pública do Espírito Santo anunciou que vai punir mais de 300 policiais militares. As medidas atingem principalmente praças - de soldado a capitão - que podem sofrer com penas de prisão de até oito anos e expulsão da corporação. Eles serão indiciados por motim ou revolta. Além disso, serão abertos mais de dez procedimentos administrativos disciplinares (PADs).
Nesta quinta-feira (9), estava marcada uma nova reunião entre integrantes do governo do estado e representantes das mulheres de PMs que ocupam as entradas dos batalhões para chegar a um acordo que encerre o protesto. Depois de dias com o diálogo interrompido, o governo instituiu uma comissão de negociação, formada por três secretários, que teve um primeiro encontro com algumas manifestantes.
A não punição a PMs é uma das exigências das mulheres de oficiais que estão nesta tarde na segunda reunião com a comissão de negociação do governo estadual (formada pelos secretários de Casa Civil, Fazenda, Direitos Humanos e Transparência). Elas pediram também, na primeira reunião, encerrada na madrugada desta quinta-feira, 100% de aumento salarial para encerrar o movimento. O encontro desta tarde servirá para o governo fazer uma contraproposta.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia