Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de fevereiro de 2017. Atualizado às 10h56.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Notícia da edição impressa de 06/02/2017. Alterada em 06/02 às 11h56min

Prefeitura não tem previsão para reativar relógios de rua na Capital

Relógios de rua desligados estão espalhados pela cidade e chamam a atenção

Relógios de rua desligados estão espalhados pela cidade e chamam a atenção


MARCO QUINTANA/JC
Desativados desde julho de 2015, os relógios de rua desligados por toda Porto Alegre causam estranhamento aos cidadãos. Mesmo assim, não há previsão para sua reativação.
A tentativa mais recente se deu em maio de 2016. Devido a questionamentos de licitantes, a Central de Licitações da Secretaria Municipal da Fazenda (SMF) reagendou o prazo para 7 de outubro. Porém, em 21 de setembro, acabou suspendendo o certame e não dando mais previsão para nova concorrência.
A licitação previa a concessão do direito à empresa vitoriosa de conceber, produzir, confeccionar, instalar, conservar e fazer a manutenção de relógios eletrônicos digitais e conjuntos identificadores de logradouros públicos, com exclusividade. A previsão era instalar ao menos 66 relógios até o fim do primeiro ano de operação e no mínimo mais 32 equipamentos até o fim do segundo ano. Ao final da licitação, pelo menos 130 aparelhos precisariam estar instalados, além de 8 mil identificadores de rua.
Os relógios de rua têm possibilidade de exploração publicitária. O valor oferecido pelo município às empresas para arcar com os investimentos iniciais era de R$ 12.888.177,60. O prazo de concessão foi estabelecido em 20 anos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia